massas,  restaurantes

Restaurante novo no Itaim Bibi: Fisherman’s Table – FECHADO

Fisherman’s Table

Atualizando, o restaurante foi fechado no início de 2015. Como tudo no Itaim Bibi é feito em velocidade recorde, já existe um novo restaurante no local. Se o cardápio for saudável, logo farei uma visita para postar aqui.

Já experimentou sorvete de tinta de lula ou cachorro quente de lagosta? Eu não, mas depois de ver esses e outros pratos no cardápio do The Fisherman’s Table, restaurante recém inaugurado no Itaim Bibi, resolvi entrar para averiguar a novidade do bairro, criação dos proprietários de um famoso restaurante vizinho, o Butcher’s Market.

De cara, já dá pra notar a preocupação com o design. O restaurante me pareceu uma mistura daquelas peixarias antigas à beira mar, típicas de países como o Chile, com um pub inglês futurista e um leve toque oriental. Uma combinação inesperada que deu um ótimo resultado.

Outro ponto positivo no Fisherman’s Table foi o atendimento, idêntico ao do Butcher’s Market, com jovens descolados que, se fossem chatos, poderiam ser vendedores da Chilli Beans. O prato que escolhi, inclusive, foi dica da garçonete, que deve ter reparado em minha expressão faminta e me salvou de escolher o minúsculo filé.

De entrada, bolinhos de camarão.

bolinho

Pelo preço e pelo nome no plural, imaginei que viriam pelo menos uns 6 bolinhos. Quando chegaram apenas 2, o baque só não foi maior pela apresentação pitoresca deles, no centro de uma “peruca” de frituras que ainda não descobri do que era feita.

Ao contrário do tamanho dos bolinhos, a expectativa estava grande, mas com uma textura de geleia de mocotó e sabor de patê de frango, me arrependi do pedido, que não foi salvo nem pelos 4 molhos da casa.

De prato principal, Yaki Udon.

Yaki Udon

Como minha foto ficou escura e borrada, pego emprestada essa do Gastrolândia, do mesmo prato.

Confiei na atendente e escolhi esse prato, uma espécie de yakisoba com frutos do mar e tiras da carne. Quando chegou, já me ganhou pelo considerável tamanho.

O udon, uma tradicional massa japonesa, estava no ponto ideal, quente e muito bem temperado. Digo o mesmo da carne e dos frutos do mar, compostos por camarões e pedaços de lula, principalmente.

O suco de laranja também estava ótimo.

Uma receita saudável?

Por mim, sim! Se os ingredientes são frescos e não existe exagero na quantidade de óleo, não tem porque taxar um prato de vilão da dieta. A não ser que você queira emagrecer e ingerir uma quantidade razoável de massa e um pouquinho de carne de vaca esteja fora dos planos.

Já o bolinho eu não me arrisco a chamar de saudável, por ser uma fritura rodeada por mais  frituras e ter um aspecto artificial de geleia de mocotó.

No geral, um restaurante saudável.

Quantos aos outros pratos, a maioria me pareceu bem saudável e apetitosa, principalmente os peixes à moda coreana ou japones, crus ou não. Também existem opções como a pouco convidativa “barriga de porco”, mas certamente é um prato feito com o cuidado característico da casa e servido em porção, digamos, gourmet.

Faminto por natureza e apaixonado pela baixa gastronomia, em busca de formas mais saudáveis de saciar o apetite.

Deixe uma resposta